JAC T40 – levei um chinês passar calor no litoral

0
6064

Algum tempo atrás eu estava em uma roda de jornalistas e blogueiros do mundo do vinho em um bate papo com o Galvão Bueno, que além de locutor e jornalista é proprietário da Bueno Wines. Nessa conversa, ele nos disse que certa vez, quando estava entrando no mundo dos vinhos em uma reunião com Michel Rolland – enólogo francês especialista em vinho Bordeaux – e lhe perguntou qual seria o grande defeito do vinho brasileiro. Eis que ele ouviu:

“Galvão o problema do vinho brasileiro não é a qualidade, é o preconceito.”

Usando essa frase do Michel Rolland, eu permito uma breve adaptação do assunto e digo, depois de 3000 km a bordo de um JAC T40 eu posso dizer que o “problema dos carros chineses, é o preconceito”.

Nosso chinês recebendo uma brisa do mar gaúcho.


Porque levar um JAC para o Rio Grande do Sul?

Quando comentei com meu amigo Richard do Rmax que viria novamente para o sul de carro, ele me disse: “vou te apresentar à equipe da JAC para você e quem sabe você vai para lá com um carro deles”. Dito e feito, trouxe um SUV chinês para passear no litoral do Rio Grande do Sul, em mais uma Road trip com a família.

A JAC Motors me ofereceu através desse contato do Richard um T40 CVT. O Crossover chinês seria um desafio para 4 pessoas e um Scottish Terrier, mas missão dada é missão cumprida. Refiz alguns dos planos de bagagem e segui à risca as minhas dicas de montagem de porta malas . Tivemos de deixar algumas coisas, mas faz parte do processo de testar um carro urbano na estrada. E como meu spoiller do início do texto já dá entender, não me arrependi do teste.


O JAC T40 CVT

Eu poderia fazer uma análise técnica do carro, falando de cada um dos itens de série do carro, porém prefiro deixar isso para a ficha técnica no final do texto. Aqui eu prefiro falar do carro que dirigi de São Paulo à Tramandaí e pelo litoral gaúcho, do conforto interno à segurança

Componentes de Série do JAC T40

Saímos de São Paulo às 5 e meia da manhã de um sábado chuvoso e já de cara a primeira supresa com o limpador de para-brisa com regulagem automática de velocidade.

E a chuva persistiu de São Paulo até quase Curitiba, com trechos de intensidade maior, menor e pude sentir a influencia dos controles de Estabilidade (ESC) e o de Tração (TCS), além do ABS e do assistente de frenagem de emergência (BAS) que me salvou em uma situação complicadíssima na Serra do Cafezal – um caminhão vazio, passou ultrapassando diversos carros pela direita – SIM, PELA DIREITA – e mais à frente, quase torceu em uma curva.

Mesmo em um JAC T40, a tensão de uma estrada chuvosa na minha cara.

O conforto em dirigir foi ajudado pela suspensão dianteira independente e a suspensão traseira semi-indepentente, além dos freios à disco nas quatro rodas.

No quesito de dirigibilidade, o carro te coloca em uma posição mais alta, com um SUV, dando uma visibilidade excelente do que se tem à frente. Os bancos de couro de série são bastante anatômicos que juntamente com os comandos no volante (revestido de couro) e o piloto automático transformaram a viagem de 15 horas, algo bastante confortável .

Visão Interna do JAC T40

Entre Curitiba e Florianópolis a viagem seguiu com um clima bastante típico de áreas semitropicais alternando em sol e chuvas esparsas e isso permitiu a este motorista curitr um pouco mais os quatro alto falantes e dois tweeters ligados à central multimídia de 8” e minha playlist no Deezer.

Tela Multimídia do JAC T40 exibindo a temperatura do ar condicionado digital

Já as passageiras mais importantes do mundo que me acompanhavam (minha filha e minha enteada) estavam ligadas em seus dispositivos eletrônicos à porta USB traseira no console, revezando o cabo de energia durante a viagem. Ao centro, nossa pequena Bela usando seu cinto de segurança canino.

Bella posa presa em segurança no cinto de segurança para a cães

Nas paradas que fizemos, eu me lembrei da paixão que nutro por câmera de ré e por sensor de estacionamento. Tudo fica mais fácil com esses itens de série.

Porta malas

O porta malas do JAC T40 CVT em um primeiro momento parece menor do que o necessário, mas ao levantar a tampa que esconde o estepe encontramos porta objetos no porta malas que facilitam no demais no dia a dia e se transformaram em verdadeiros coringas na viagem. Todos os itens pequenos da bagagem foram delicadamente acomodados, liberando espaço para as malas .
Lembrando que o JAC T40 é um crossover, não podemos esperar um porta malas de um SUV.

Uso urbano

Passamos por Porto Alegre algumas vezes durante a viagem e pude testar alguns itens que sempre considerei desnecessários em carros – e revi diversos conceitos.

Parada para comer um Brownie no Charlie Brownie lá em Porto Alegre

Porto Alegre tem diversas ladeiras e o JAC T40 tem o Assistente de saída em rampas(HSA) e facilita muito no dia a dia.

No trânsito, o Sistema Start/Stop me deu alguns sustos, mas ajudou bastante no consumo do carro.

Consumo esse, aliás, que foi de 15km/l na estrada e 12,5 km/l no uso misto, sempre com o carro carregado.

Por fim, a viagem terminou e sentirei saudade do chinês que me guiou tão deliciosamente.

 

Veja a avaliação do carro em vídeo

 


Ficha técnica JAC T40 CVT

Preços: A partir de R$ 69.990
Motor: gasolina, dianteiro, transversal, 4 cilindros, 16V, aspirado, 1.590 cm3; 138 cv a 6.000, 17,1 mkgf a 4.000 rpm
Câmbio:automático CVT, 6 marchas, tração dianteira
Suspensão:McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.)
Freios:disco, vent. (diant.) disco sólido (tras.)
Direção:elétrica
Rodas e pneus:liga leve, 205/55 R16
Dimensões:comp., 413,5 cm; altura, 156,8 cm; largura, 175,0 cm; entre-eixos, 249 cm; peso, 1.220 kg;

Vista da Barra do Imbé, local que o JAC T40 CVT nos guiou.

 


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here