Você não pode fazer 500 milhões de amigos sem fazer alguns inimigos

0
1076

Nota do Cobra: O Alexandre Jungermann é o irmão homem que eu não tive biologicamente e estava nos Estados Unidos quando o filme a Rede Social estreeou por lá e trás, com exclusividade para os leitores do Homem na Cozinha a sua impressão do filme.

Com direção de David Fincher, de Seven e o Clube da Luta, e baseado no livro “The Accidental Billionaires: The Founding of Facebook – A Tale of Sex, Money, Genius and Betrayal” (“Os bilionários Acidentais: a fundação do Facebook, uma história de sexo, dinheiro, genialidade e traição”), escrito por Ben Mezrich, o filme procura mostrar – em um tom que algumas vezes soa romântico e ficcional demais – os bastidores por trás do processo de concepção e criação do Facebook.

“A Rede Social”, retrata ainda, um Mark Zuckerberg solitário, melancólico e triste, reforçando o caráter “acidental” de seu sucesso.

Logo na primeira cena, ele toma um pé-na-bunda, não antes de ouvir da menina a seguinte frase, propositalmente deixada aqui na versão original:

“You’re going to be successful and rich. But you’re going to go through life thinking that girls don’t like you because you’re a tech geek. I want you to know, from the bottom of my heart, that won’t be true: It’ll be because you’re an asshole.”

Humilhado, ele volta ao seu quarto e toma duas providências: escreve em seu blog um post ácido e agressivo sobre a moça e, em seguida, começa a trabalhar em um site que acabaria por derrubar toda a rede de Harvard. A idéia era simples – e justamente por isso – genial: Ele monta um Facebook (o nosso popular “carômetro”), com as fotos de todas as alunas – obtidas ao invadir os servidores da universidade – e acrescenta a função “Hot or Not”, que permite atribuir notas de acordo com, bem, com o “desempenho” da pessoa.

A brincadeira quase o expulsou da faculdade ao mesmo tempo em que o projetou dentro do campus.

Nesta fase, ele conta com a ajuda de seu então amigo Eduardo Saverin, um paulistano que se mudou para Miami ainda criança e que estudava economia na mesma faculdade. “Ardo”, como Mark o chama no filme, foi o primeiro investidor do site, colocando U$ 1.000 para comprar servidores. Posteriormente os dois se desentenderam e romperam relações, situação que ainda permanece. Os motivos do rompimento são mostrados na tela, mas preferi evitar spoilers e por isso não explico no post =)

O filme vale como entretenimento, já que narrativas como estas são recheadas de elementos que despertam interesse e prendem a atenção do espectador. Vale também como um recorte histórico – mesmo que os fatos mostrados não sejam totalmente fiés à realidade – por ser baseado em um caso real.

The Social Network é, sem dúvidas, uma boa pedida para o final do ano. Pegue sua pipoca e seu refrigerante. Boa sessão!

Aqui você tem o trailler do filme.

Artigo anteriorBrigadeiro de Banana
Próximo artigoRisoto de Alcachofra
Pai, cozinheiro, já fui um monte de outras coisas mas acima de tudo, um curioso. Da aversão da dupla esponja e detergente nasceu o auxiliar de cozinha em uma viagem com tarefas compartilhadas. Atuando como personal chef, consultor e facilitador na Homem na Cozinha Cook Lab Ricardo Cobra mantém seu "filho mais velho" com o mesmo cuidado de 13 anos atrás.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here